Contexto Paulista: Crescimento do PIB paulista atinge maioria das regiões

Wilson Marini – Rede APJ

Esta coluna é publicada pelos grupos de comunicação da Associação Paulista de Portais e Jornais (APJ), rede formada por 16 líderes de prestígio regional com circulação no Estado de São Paulo

O Produto Interno Bruto – PIB apresentou crescimento em 13 das 16 regiões do Estado de São Paulo no terceiro trimestre de 2020 na comparação com o trimestre imediatamente anterior, já descontados os efeitos sazonais, segundo estimativas da Fundação Seade. Com o valor de R$ 602,013 bilhões, o PIB estadual no período apresentou crescimento de 9,4%, com variações regionais.

No trimestre

Os maiores aumentos no terceiro trimestre em comparação com o trimestre anterior foram verificados nas regiões de Campinas (16,4%), Sorocaba (10,0%) e Região Metropolitana de São Paulo (9,1%). As duas únicas regiões que apresentaram decréscimos no PIB são as de Itapeva (-2,6%) e Santos (-0,3%). Nessa comparação, a região de Marília apresentou estabilidade. Nas demais, o crescimento foi positivo.

Destaques

Sob outro critério, no acumulado de 12 meses, os destaques de expansão do PIB são das regiões de Franca (8,1%), Barretos (3,0%) e Araçatuba e Marília, ambas com 2,7%.

PIB regional

São estes os números do PIB do terceiro trimestre de 2020, por regiões:

●     Região Metropolitana de São Paulo – R$ 309,883 bilhões (53,4% do total);

●     Região de Campinas – R$ 118,305 bilhões (18,3% do total)

●     Região de São José dos Campos – R$ 30,867 bilhões (5,6%)

●     Região de Sorocaba – R$ 28,928 bilhões (4,7%)

●     Região de Santos – R$ 15,870 bilhões (2,8%)

●     Região de Ribeirão Preto – R$ 16,262 bilhões (2,6%)

●     Região de S. José do Rio Preto – R$ 15,269 bilhões (2,4%)

●     Região de Bauru – R$ 11,798 bilhões (1,9%)

●     Região Central (Araraquara/S.Carlos) – R$ 11,629 bilhões (1,8%)

●     Região de Marília – R$ 9,224 bilhões (1,5%)

●     Região de Franca – R$ 8,115 bilhões (1,1%)

●     Região de Araçatuba – R$ 7,254 bilhões (1,1%)

●     Região de Presidente Prudente – R$ 6,945 bilhões (1,1%)

●     Região de Barretos – R$ 6,037 bilhões (0,8%)

●     Região de Itapeva – R$ 3,423 bilhões (0,6%)

●     Região de Registro – R$ 2,203 bilhões (0,4%)

Fonte: Fundação Seade

O crescimento

São estes os desempenhos de cada região em relação ao crescimento do PIB do terceiro trimestre de 2020 comparado ao do segundo trimestre de 2020:

●     Região Metropolitana de São Paulo (+9,1%)

●     Região de Campinas (+16,4)

●     Região de São José dos Campos (+8,0%)

●     Região de Sorocaba (+10,0%)

●     Região de Santos (-0,3%)

●     Região de Ribeirão Preto (+2,8%)

●     Região de S. José do Rio Preto (+2,7%)

●     Região de Bauru (+6,0%)

●     Região Central – Araraquara/S. Carlos (+5,9%)

●     Região de Marília (0,0%)

●     Região de Franca (+4,9%)

●     Região de Araçatuba (+2,7%)

●     Região de Presidente Prudente (+2,3%)

●     Região de Barretos (+3,24%)

●     Região de Itapeva (-2,6%)

●     Região de Registro (+1,4%)

Fonte: Fundação Seade

No trem

A rede Barbosa Supermercados, que tem 30 unidades no Estado de São Paulo, anunciou loja-conceito no bairro de Ermelino Matarazzo, na zona leste da capital paulista, segundo o site Mercado e Consumo. A ideia foi dar ao consumidor a experiência de estar numa espécie de estação de trem. “Estudamos o bairro e usamos o design antigo e industrial, buscando trazer o sentimento de estar em uma estação de trem. Para isso, aplicamos madeira, cimento queimado, tons de cinza, tijolinho a vista e o preto predominante nas estruturas”, diz Andreia Oliveira Lopes da Silva, vice-presidente e design de interiores corporativa do grupo.

Criatividade

De acordo com a executiva, os supermercados passaram a ser olhados de forma diferente pelos consumidores em 2020. “Considerando toda essa ressignificação, desenvolvemos uma metodologia de processo criativo que evidenciasse o valor histórico das regiões. Nossa intenção é acolher cada região transformando nossas lojas em um ambiente inspirador que conte a história daquela cidade”, conta.

Agronegócio em alta

Segundo a Automotive Business, em dezembro o segmento de veículos registrou seu melhor mês deste outubro de 2018, com resultado 17% maior que o de novembro e mais que o dobro se comparado com dezembro de 2019. O maior crescimento previsto para o segmento deverá vir das máquinas rodoviárias (ou de construção), cujo aumento anual deverá ser de 22%. Atualmente, cerca de 20% a 25% desses equipamentos são vendidos a empresas ligadas ao agronegócio. Na categoria de máquinas agrícolas, as montadoras preveem a venda de 43,8 mil unidades, 5% a mais do que em 2020.

Frase

“O mercado agrícola está forte, com crédito disponível e preços das commodities interessantes. Na construção civil e infraestrutura, há um aumento por parte das pequenas e médias empresas e também no setor de locação, então, é um mercado que também está ficando mais forte em 2021” – Alexandre Bernardes, vice-presidente da Anfavea.

De ponta

O Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital) reforça a divulgação de alguns de seus serviços de ponta na agroindústria: produção de amostras de chocolates moldados, aplicação de ingredientes inovadores para torná-los mais saudáveis, melhoria da qualidade sensorial e da segurança de frutos desidratados e cristalizados, aumento de produção e desenvolvimento de embalagem com especificações que permitem a redução de matéria-prima sem prejudicar a funcionalidade.