Contexto Paulista: 44,2% das empresas exportadoras do país são do Estado de São Paulo

Esta coluna da Associação Paulista de Portais e Jornais (APJ) é publicada por 14 líderes de prestígio regional com circulação no Estado de São Paulo.

Quase a metade das empresas brasileiras que exportam ficam no Estado de São Paulo: são 12.604 companhias paulistas, que faturam US$ 72 bilhões por ano com vendas para o exterior, o equivalente a mais de R$ 360 bilhões. Isso significa que de cada 10 empresas brasileiras que exportam, quase cinco ficam em SP. Elas representam exatos 44,2% das 28.524 companhias do país que vendem para o exterior. Os dados, referentes a 2023, aparecem em estudo da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Governo Federal, e foram compilados nesta semana pela InvestSP – agência de promoção de investimentos vinculada ao governo paulista.

“Logística privilegiada”
O documento também mostra que São Paulo tem quase quatro vezes mais empresas exportadoras que o segundo colocado no ranking nacional. Para o presidente da InvestSP, Rui Gomes, “os investimentos em inovação e formação de mão obra, com algumas das melhores universidades do país, e uma logística privilegiada, com estradas de primeiro mundo, o porto de Santos e três grandes aeroportos – Cumbica, Congonhas e Viracopos –, são fatores que contribuem para o destaque do Estado”.

Capacitação
O programa Exporta SP já capacitou quase mil empresas, está com uma turma com mais 150 em andamento e abriu inscrições para 150 vagas no segundo semestre, pelo site da InvestSP.

PIB em alta em SP
Dados apurados pela Fundação Seade apontam que na variação acumulada do ano de 2023 o PIB cresceu em 8 das 20 regiões do Estado de São Paulo. O indicador apresentou alta no Estado de 0,8% no acumulado do último ano em relação ao ano anterior. Em valores correntes, o total acumulado no ano passado foi de R$ 3,2 trilhões, frente a R$ 3,1 trilhões do ano de 2022.
bi.

Campanha pelas bebidas
O deputado estadual Carlão Pignatari (PSDB) se juntou a outros três colegas na Assembleia Legislativa de São Paulo na autoria de um projeto de lei em tramitação que autoriza a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas em eventos esportivos nos estádios de futebol e arenas esportivas do Estado. O projeto já tem parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Redação, e deve ser analisado em breve pelo colegiado. A matéria passará ainda por outras duas comissões antes de ser levada para votação definitiva no Plenário da Alesp.

Regras
Pelo texto, será permitida a comercialização e o consumo exclusivamente de bebidas cuja graduação alcoólica não exceda a 15%. A venda deverá ser iniciada até duas horas antes de começar a partida ou evento desportivo, e encerrada até uma hora após seu término. As bebidas deverão ser comercializadas e acondicionadas em embalagens plásticas descartáveis de até 500 ml. Também ficará proibido o ingresso nos estádios ou arenas desportivas de torcedor que esteja portando bebida alcoólica de qualquer natureza, entre outras medidas.

Autoria
O projeto de lei 1.599/23 também tem a autoria dos deputados Dani Alonso (PL), Delegado Olim (PP) e Itamar Borges (MDB). O projeto já recebeu apoio da FPF (Federação Paulista de Futebol) e de 48 times das séries A1, A2 e A3 do Campeonato Paulista de Futebol, entre eles Votuporanguense, Noroeste (Bauru), Catanduva e Rio Preto.

Nova economia
Algumas das principais lideranças da agenda ESG (sigla usada para se referir às melhores práticas sociais, ambientais e de governança) se reúnem no dia 16 de maio, em São Paulo, para discutir boas práticas e formas de acelerar a transição para uma nova economia, mais verde e justa, além de atrair o setor acadêmico para o debate. Um dos objetivos do “2º Encontro com Lideranças ESG – Integrando a universidade às empresas”, promovido pela Universidade Mackenzie, é conscientizar sobre a necessidade de o setor privado investir cada vez mais na adoção dessas práticas.

Apoios
O evento ainda contará com representantes de: SoulCode (edtech focada em inclusão digital), 5ERA (empresa de inteligência e inovação digital), Finep (Empresa Brasileira de Inovação e Pesquisa) e CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), além da consultoria EY e da Fundação Crescer Criança, que atua no apoio a crianças de baixa renda.

Plano Plurianual de SP
O governador Tarcísio de Freitas sancionou a lei que traz diretrizes para o Estado de São Paulo para os anos de 2024 até 2027, chamada de Plano Plurianual – PPA. A proposta do PPA foi elaborada pelo Governo de SP e aprovada pela Assembleia Legislativa em 13 de março. O Plano Plurianual reúne objetivos estratégicos e programas governamentais com recursos, indicadores e metas para o próximo quadriênio.

Objetivos estratégicos
Destacam-se no Plano Plurianual de SP, entre outros: Educação Pública com Efetividade, Qualidade e Acesso Ampliados para Geração de Oportunidades e Redução das Desigualdades; Saúde Pública com Maior Acesso, Qualidade, Resolutividade e Tecnologia para Enfrentamento das Principais Causas de Problemas de Saúde; Segurança Pública Fortalecida e Integrada para uma Sociedade Protegida e com Menor Incidência de Crimes; Menor Vulnerabilidade Social, com Redução das Desigualdades, da Pobreza e do Contingente de Pessoas em Vivendo em Situação de Rua; Infraestrutura e Mobilidade Urbana Expandidas, para Melhoria da Vida dos Cidadãos e para um Ambiente de Negócios Favorável à Atração de Investimentos